Os papéis do professor e do aluno

Print Friendly, PDF & Email
Lauro de Oliveira Lima

” … haverá uma revolução no que concerne aos papéis de aluno e de professor.”

O professor-informador e o aluno-ouvinte serão substituídos pelo “professor-animador” e o “aluno-pesquisador”, mutação que já pode ser realizada amanhã, pois não exige investimentos com recursos materiais.

O problema da pesquisa versus ensino será superado pela generalização da pesquisa: tudo na escola do futuro será atividade de indagação e desalio para descoberta de soluções novas.

A velocidade da substituição do conhecimento eliminará a idéia de ensino e desafiará a pesquisa em todos os domínios mesmo das crianças do jardim de infância.

A escola não será a “casa dos professores”, mas a “casa das crianças” como já queria Montessori. A medida de sua organização não será o adulto, mas seus mini-habitantes. Como na Idade Média, quando foram fundadas as universidades, os professores serão escolhidos pelo aluno, uma vez que serão meros “experts” a sua disposição.

É mesmo possível que a função de professor desapareça por generalização: todos os adultos passarão a ser “professores” das novas gerações, como foi na aldeia tribal … A idéia de ensino será substituída por uma auto-aprendizagem, cabendo ao professor criar situações (animador) em que os jovens se disponham a utilizar a informação de que está prenhe o ambiente.

Ora, utilizar a informação do ambiente é, simplesmente, pesquisar. A atividade do aluno não se distinguirá, fundamentalmente, da do cientista. Não se tratará, como diz Mcluhan, da mera dramatização do processo de redescoberta, mas de uma atividade, realmente, original.

Dado a velocidade da mudança, o desafio que se proporá ao aluno versará sobre o “próximo passo”, disparando um processo universal de criatividade. Também o operário da fábrica será desafiado a inventar a próxima máquina dando, realmente, um sentido construtivista universal à atividade humana. Em vez de cultivar-se a tradição, projetar-se-á, permanentemente, o futuro.

Em vez de estudar-se a história, far-se-á prospectiva. Ora, tudo isso retira ao professor seu trunfo histórico de “depositário de conhecimento”: ele terá que colocar-se perante o desafio na mesma posição indagadora do aluno, podendo seus resultados ser inferiores aos obtidos pelos jovens, mesmo porque os jovens não possuem os percalços dos quadros mentais esclerosados próprios dos adultos.

http://laurodeoliveiralima.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *