O SiBBr na visão dos pesquisadores – I

20130531Os US$20.000.000,00 obtidos para o projeto de gerenciamento e uso das informações sobre coleções científicas brasileiras teriam sido melhor empregados na manutenção, ampliação e proteção das coleções científicas.

Mesmo se considerarmos que estes recursos obtidos pelo Brasil junto ao GEF e PNUMA devam ser direcionados à divulgação dos dados das coleções cientificas, penso que seria melhor investir em redes de computação e sistemas nas instituições que efetivamente assumem o ônus de manter estas coleções.

Parece inapropriado destinar dados e recursos financeiros a uma entidade privada, não governamental, que não assume compromissos com a manutenção das coleções.

Os recursos destinados às coleções científicas através dos pesquisadores que elaboraram projetos para o SiBBr foram destinados exclusivamente à migração dos dados para fora das instituições, sendo vedado seu uso na manutenção das coleções propriamente ditas.

Ainda que a destinação de recursos financeiros possa ser justificada em termos de eficiência empresarial e tecnológica, a migração de dados públicos para uma plataforma única mantida por uma organização privada cria a necessidade de manutenção a longo prazo desta mesma plataforma.

O Governo Brasileiro e as instituições e pesquisadores usuários das coleções científicas ficarão reféns da instituição mantenedora do SiBBr, da mesma forma que o Ministério da Educação, através da CAPES, permanece refém das editoras multinacionais que publicam os periódicos científicos de maior interesse.

O Governo respondeu à esta preocupação através da inclusão do Laboratório Nacional de Computação Científica entre os parceiros do Projeto. Resta saber se o LNCC efetivamente assumira o papel de mantenedor do SiBBr, ou se sua função se resumirá a aplacar a crítica da comunidade científica, que considera que dados públicos devem permanecer no domínio público. A inoperância do formulário de busca de dados na página do “repositório de dados” do SiBBr e a forma como o edital do SiBBr foi modificado pelo CNPq após sua publicação sugerem que a segunda opção poderá prevalecer.

Paulo A. Buckup

O Dr. Paulo Andreas Buckup é Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde atua como orientador no Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), como pesquisador em biodiversidade molecular e como curador da coleção de peixes do Museu Nacional da UFRJ. Foi Presidente da Sociedade Brasileira de Ictiologia. Com doutorado realizado entre 1981 e 1985 na University of Michigan e pós-doutorados no Field Museum of Natural History e na Philadelphia Academy of Natural Sciences, é Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1D e assessor de vários periódicos e órgãos de fomento à pesquisa do CNPq. Foi um dos responsáveis pela implantação do Projeto NEODAT entre as instituições brasileiras, um dos projetos pioneiros em informação sobre banco de dados de peixes pela Internet.

Print Friendly, PDF & Email

2 pensou em “O SiBBr na visão dos pesquisadores – I

  1. Creio que não há unanimidade entre os pesquisadores no que tange a esse tema. Eu acho que as duas coisas devem andar paralelamente. Investir na manutenção da infraestrutura das coleções não deve ser uma pré-condição para a disponibilização pública dos dados nem vice-versa.

  2. Como todo o investimento de recurso, o melhor é ter o maior envolvimento possível da sociedade. Isso é positivo. Abrir o debate para a participação coletiva é o primeiro passo no processo. O Sérgio foi muito feliz quando disse: “Investir na manutenção da infraestrutura das coleções não deve ser uma pré-condição para a disponibilização pública dos dados nem vice-versa.” O recurso do SiBBr tem o objetivo de criar um portal para agilizar a publicação dos dados de biodiversidade brasileira. Mas vai ser muito mais que isso. Deve acabar se associando de alguma maneira ao INDE para o cruzamento de dados socieconômicos, deve conseguir prover uma ferramenta de modelagem de nichos ecológicos junto ao SINAPAD, pode contribuir para o avanço das pesquisas de taxonomia ligadas ao Barcode of Life, entre outros. É um projeto benéfico, que não pode ser culpado pela falta de investimento em outras problemáticas da área. O que deve ser cobrado é que a aplicação desse recurso seja concluída com sucesso, proporcionando essa grande ferramenta de integração de dados, que está em plena conformidade com as políticas internacionais, inclusive de governança. O envolvimento de laboratórios de pesquisa, universidade, autônomos e iniciativas privadas é positivo. O projeto é aberto e produzirá artefatos de software abertos e livres. Essa é a inclinação, e é nesse sentido que o projeto deve caminhar. É isso que devemos garantir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.